O Oeste de Santa Catarina e o Surgimento do MST

reflexões sobre questões sociais e ambientais

  • Raquel Forchesatto UFFS
  • Samira Peruchi Moretto
Palavras-chave: Oeste de Santa Catarina, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), História Social, História Ambiental

Resumo

Este resumo parte de pesquisa em desenvolvimento e que resultará em um Trabalho de Conclusão de Curso para graduação em História da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó. Tem como objetivo apresentar reflexões acerca do surgimento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na realidade do Oeste de Santa Catarina. Para o desenvolvimento deste estudo é utilizado como abordagem teórico-metodológica a História Vista de Baixo e a História Ambiental. Num primeiro momento será abordado a estrutura agrária do Brasil, onde sempre houveram movimentos de resistência por parte dos camponeses. Os movimentos sociais neste contexto estão presentes em diversas ações de resistência às atrocidades dirigidas aos seus grupos de pertença. Este movimento de resistência à expropriação da terra por famílias camponesas também contribuiu para que o MST fosse articulado no final dos anos de 1970 e início dos anos de 1980. Outro ponto que será explorado é a realidade do MST no Estado de Santa Catarina, em especial na mesorregião denominada de Oeste. Esta região, ao longo de sua história, passou por inúmeras disputas referentes ao acesso à terra por parte dos sujeitos que passaram por ela. Além disso, serão aprofundadas as discussões sobre a constituição dos acampamentos e assentamentos localizados nos municípios de Passos Maia e Chapecó. Tem-se como resultado inicial para este resumo um resgate histórico do processo de surgimento do MST nesta região e as transformações produzidas por ele tanto nas questões sociais, como nos aspectos ambientais relacionados à produção agroecológica. Apoio FAPESC.

Publicado
09-11-2021